terça-feira, 27 de setembro de 2016

VETORIZAÇÃO DE PROJETOS - ROTA MORRINHOS - CATALÃO - OS#201

Grande parte de projetos de lançamento de cabos ópticos são "instalados" em faixas de domínio de rodovias, ferrovias, áreas de empréstimo de faixas de domínio e tem seus projetos padronizados como na imagem do arquivo abaixo.

As fibras ópticas são lançadas em valas previamente escavadas que depois são sinalizadas na superfície do seu caminhamento para que se evitem acidentes com escavações desavisadas. Além da fibra são construídas estações de manutenção, caixas de passagens e caixas de colocação de  folgas e áreas para manutenção.
   
Nós na AJS já vetorizamos mais de vinte mil formatos nos formatos de padrões de projetosgeométricos de ferrovias, rodovias, trevos e estações ferroviárias.
   
Projetos de estradas e ferrovias foram e são muito utilizados para uso e locação da faixa de domínio no assentamento de leitos para cabos ópticos, gasodutos, cruzamentos com linhas de transmissão e outros usos.
     
Nosso trabalho consiste na vetorização das informações geométricas do projeto original, obstáculos, obras de arte e outros que serão usadas no novo projeto como referência e, disponibilizá-las em um arquivo para lançamento das novas informações na configuração previamente acertada com o cliente.



Veja na imagem acima de um desenho vetorizado a complexidade de um trecho de passagem da fibra óptica.   


Acima, um trecho pouco complexo dentro de cidade. Os arquivos são separados em camadas nas diversas informações facilitando o trabalho de lançamento de um novo projeto com filtros de informações que se mostram na tela e análise de interferências.

A imagem apresentada é telas de parte dos trabalhos para ilustração para visualização do grau de dificuldade e acuidade das informações.
            
Precisa digitalizar, georreferenciar e vetorizar mapas, temas ou projetos! 
    
Digitalize HOJE !!!   


sexta-feira, 7 de novembro de 2014

O Que é a Digitalização ? ( CONARQ )

Segundo o CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS - CONARQ, no texto do trabalho 'Recomendações para Digitalização de Documentos Arquivísticos Permanentes - 2010', a definição é : 
     
"Entendemos a digitalização como um processo de conversão dos documentos arquivísticos em formato digital, que consiste em unidades de dados binários, denominadas de bits - que são 0 (zero) e 1 (um), agrupadas em conjuntos de 8 bits (binary digit) formando um byte, e com os quais os computadores criam, recebem, processam, transmitem e armazenam dados.

De acordo com a natureza do documento arquivístico original, diversos dispositivos tecnológicos (hardware) e programas de computadores (software) serão utilizados para converter em dados binários o documento original para diferentes formatos digitais. No entanto, o produto dessa conversão não será igual ao original e não substitui o original que deve ser preservado.

A digitalização, portanto é dirigida ao acesso, difusão e preservação do acervo documental" 
Precisa de digitalização como serviço ou do equipamento ? Compreo serviço ou PLOTTER & SCANNER de grandes formatos de quem entende e pesquisa !!

quarta-feira, 5 de março de 2014

VETORIZAÇÃO DE DESENHOS ELETRICOS E LAYOUT - OS#271

Todas as instalações industriais para mineração tem grande extensão e acervo de desenhos e diagramas também da área de elétrica. No ano de 2000 as Minerações Brasileiras Reunidas nos contratou para a digitalização e vetorização de todos os desenhos técnicos  e diagramas elétricos da Mina do Pico no município de Itabirito, bem perto da capital do estado de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Alguns dos desenhos estavam em originais como papel vegetal em excelente estado de conservação e apresentação da informação contida mas, outros, somente em cópias heliográficas, com marcações em vermelho, amassados e exigiram leitura com atenção e interpretação de muitas das informações.

Veja abaixo alguns exemplos de diagramas e até mesmos plantas de locação com curvas de nível dentro da área de mineração.

Como a vetorização torna o arquivo proveniente do desenho original inteligente, foram feitos todos com padronização pertinente colocando informações em camadas ( layers ) diferentes.






As imagens apresentadas são telas de parte dos trabalhos para ilustração.
        
Precisa digitalizar, georreferenciar e vetorizar mapas, temas ou projetos ? 

                                                      Digitalize HOJE !!!    

       
Formato origem : Desenhos técnicos e diagramas
   
Cliente: MBR - Minerações Brasileiras Reunidas S.A.
     
Ano : 2000
    
Quantidade de Imagens : 240

Quantidade de arquivos : 240

Referência : 271

Para maiores informações e orçamento de digitalização: 
   
Ligue :     
 (31) 3291-9600
Minas Gerais
 (11) 3301-5484
São Paulo

 (21) 3002-0272
Rio de Janeiro

Papel Feito a Partir de Laranjas

Crush é o papel ecológico inovador feito pela empresa Favini e substitui até 15% de polpa de árvores virgens com 7 matérias-primas naturais : os resíduos do processo de citricos e frutas, milho, café, azeitonas, avelãs e amêndoas . O vídeo conta o ciclo de vida de um destes materiais, as laranjas.

A Itália é um dos três maiores produtores de frutas cítricas do mundo (Itália, Israel e Espanha), com 1.000.000 toneladas dedicados à indústria de suco de frutas. Espremidos para produzir sucos, de 40% a 60 % são co-produtos e polpa cítrica . Estes resíduos são reutilizados e retrabalhados por outras indústrias na obtenção de diversas matérias-primas interessantes como essências, bioetanol, pneus, pectina e assim por diante. Após estes processos com os resíduos, chamados de polpa cítrica despectinizados, normalmente são secos e compactados em pelotas e utilizados como enchimento em alimentos para animais, fertilizantes ou queimados para produzir energia. A Favini intervém neste ponto da cadeia, revigorando-os como uma matéria-prima valiosa para substituição da polpa virgem de árvores na produção de papel. Faz uma maravilhosa variedade de papéis na linha Crush !
     

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Estradas Brasil - Sonho !!

Já pensou se todas as estradas traçadas no mapa da imagem abaxo estivessem hoje funcionando com três ou quatro vias em cada sentido ? Pelo menos para escoar os grãos produzidos no centro-oeste ? Poderíamos chamá-lo de mapa brasileiro de rodovias ?




Formato origem : Desenho
   
Cliente: 
     
Ano : 2009
    
Quantidade de Imagens : 1

Quantidade de arquivos : 1

Referência : 387

Para maiores informações e orçamento de digitalização e vetorização : 
   
Ligue :  
 (31) 3291-9600
Minas Gerais
 (11) 3301-5484
São Paulo

 (21) 3002-0272
Rio de Janeiro

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Projetos de Georreferenciamento - Quem pode assinar ?


Decisão plenária do Confea PL 2087/2004 define quem são os profissionais que podem assinar trabalhos georreferenciados para Certificação no Incra.

Decorridos já quase nove anos da Decisão Plenária do Confea – PL 2087 – ainda existem muitas dúvidas com relação a quem são os profissionais que podem assumir a responsabilidade técnica de trabalhos topográficos georreferenciados com vistas ä Certificação no Incra, em atendimento à Lei 10.267/2001. Desta forma, iremos reproduzir os principais pontos da Decisão Plenária do Confea 2087 de 2004, conforme abaixo:

PL 2087/2004

Decidiu: 1) Revogar a Decisão PL-0633, de 2003, a partir desta data. 2) Editar esta decisão com o seguinte teor: I. Os profissionais habilitados para assumir a responsabilidade técnica dos serviços de determinação das coordenadas dos vértices definidores dos limites dos imóveis rurais para efeito do Cadastro Nacional de Imóveis Rurais (CNIR) são aqueles que, por meio de cursos regulares de graduação ou técnico de nível médio, ou por meio de cursos de pós-graduação ou de qualificação/aperfeiçoamento profissional, comprovem que tenham cursado os seguintes conteúdos formativos;

a) Topografia aplicadas ao georreferenciamento; b) Cartografia; c) Sistemas de referência; d) Projeções cartográficas; e) Ajustamentos; f) Métodos e medidas de posicionamento geodésico. II. Os conteúdos formativos não precisam constituir disciplinas, podendo estar incorporadas nas ementas das disciplinas onde serão ministrados estes conhecimentos aplicados às diversas modalidades do Sistema; III. Compete às câmaras especializadas procederem a análise curricular; IV. Os profissionais que não tenham cursado os conteúdos formativos descritos no inciso I poderão assumir a responsabilidade técnica dos serviços de determinação das coordenadas dos vértices definidores dos limites dos imóveis rurais para efeito do CNIR, mediante solicitação à câmara especializada competente, comprovando sua experiência profissional específica na área, devidamente atestada por meio da Certidão de Acervo Técnico – (CAT); V. O Confea e os Creas deverão adaptar o sistema de verificação de atribuição profissional, com rigorosa avaliação de currículos, cargas horárias e conteúdos formativos que habilitará cada profissional; VI. A atribuição será conferida desde que exista afinidade de habilitação com a modalidade de origem na graduação, estando de acordo com o art. 3º, parágrafo único, da Lei 5.194, de 24 de dezembro de 1966, e serão as seguintes modalidades: Engenheiro Agrimensor (art. 4º da Resolução 218, de 1973); Engenheiro Agrônomo (art. 5º da Resolução 218, de 1973); Engenheiro Cartógrafo, Engenheiro de Geodésica e Topografia, Engenheiro Geógrafo (art. 6º da Resolução 218, de 1973); Engenheiro Civil, Engenheiro de Fortificação e Construção (art. 7º da Resolução 218, de 1973); Engenheiro Florestal (art. 10 da Resolução 218. de 1973); Engenheiro Geólogo (art. 11 da Resolução 218, de 1973); Engenheiro de Minas (art. 14 da Resolução 218, de 1973); Engenheiro de Petróleo (art. 16 da Resolução 218, de 1973); Arquiteto e Urbanista (art. 21 da Resolução 218, de 1973); Engenheiro de Operação – nas especialidades Estradas e Civil (art. 22 da Resolução 218, de 1973); Engenheiro Agrícola (art. 1º da Resolução 256, de 27 de maio de 1978); Geólogo (art. 11 da Resolução 218, de 1973); Geógrafo (Lei 6.664, de 26 de junho de 1979); Técnico de Nível Superior ou Tecnólogo – da área específica (art. 23 da Resolução 218, de 1973); Técnico de Nível Médio em Agrimensura; Técnicos de Nível Médio em Topografia; e Outros Tecnólogos e Técnicos de Nível Médio das áreas acima explicitadas, devendo o profissional anotar estas atribuições junto ao Crea. VII. Os cursos formativos deverão possuir carga horária mínima de 360 horas contemplando as disciplinas citadas no inciso I desta decisão, ministradas em cursos reconhecidos pelo Ministério da Educação; VIII. Ficam garantidos os efeitos da Decisão PL-633, de 2003, aos profissionais que tiverem concluído ou concluírem os cursos disciplinados pela referida decisão plenária e que, comprovadamente, já tenham sido iniciados em data anterior à presente decisão. Presidiu a Sessão o Eng. Civil Wilson Lang. Votaram…..

Brasília, 3 de novembro de 2004.

Eng. Florestal Fernando Antônio Souza Bemerguy
Presidente em Exercício

É importantíssimo lembrar que os profissionais relacionados nesta PL que tiverem interesse em se capacitar com vistas a credenciar-se no Incra, devem se ater ao escolher o curso. Ou seja, a instituição de ensino deve ter o curso reconhecido pelo Ministério da Educação, e também o curso deve ser registrado no Crea estadual, visto que será este Conselho que emitirá a certidão necessária ao credenciamento do profissional no Incra.

Transcrição do post de Roberto Tadeu Teixeira - Engenheiro Agrimensor – Incra , Especialista em Georreferenciamento de Imóveis Rurais, formado pela FEAP-SP, Professor do Curso de Pós Graduação em Georreferenciamento de Imóveis Rurais para o site MundoGeo

Fonte : MundoGeo
 

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Prazo para Georreferenciamento de Imóveis - 20 de Novembro

Nos termos da Lei dos Registros Públicos (Lei nº 6.015/1973), a descrição de todo imóvel rural deverá estar georreferenciada ao sistema geodésico brasileiro. Em termos mais simples, isso significa que todos os vértices do imóvel deverão estar identificados por coordenadas obtidas por GPS, de forma a resultar numa descrição técnica que determina, com grande precisão, o formato, a dimensão e a localização do imóvel.

Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) determinou, no final de 2011, um novo prazo obrigando os proprietários de imóveis rurais com menos de 500 hectares a fazer o georreferenciamento do imóvel e a certificação junto ao Instituto: 20 de novembro de 2013. Desta forma, mais de 161 mil imóveis rurais em todo o país, com áreas entre 250 e 500 hectares, passarão a ser objeto de georreferenciamento em todas as operações de desmembramento, remembramento e transferência de propriedade.

De acordo com o Incra, atualmente há cerca de 5,5 milhões de imóveis constantes no Sistema Nacional de Cadastro Rural (SNCR). A maior parte das propriedades tem abaixo de 500 hectares, o que representa 5,2 milhões de imóveis passíveis de georreferenciamento.

Ferramenta de Apoio de Certificação

Em 2013, o Incra anunciou o lançamento de uma ferramenta de apoio ao trabalho dos profissionais credenciados na autarquia que atuam em processos de certificação de imóveis rurais. Com a entrada em vigor do Sistema de Gestão Fundiária (Sigef), no próximo dia 23 de novembro, o processo de certificação se tornará mais célere. Isto porque o sistema permite a análise eletrônica dos dados georreferenciados dos imóveis – informações cartográficas obtidas com o uso de GPS de alta precisão –, restringindo a necessidade de atuação de servidores do Incra apenas aos casos de desmembramentos, remembramentos, sobreposição de áreas, ou àqueles imóveis relacionados a auditorias e fiscalizações.

Caso não haja pendências em relação ao imóvel, a certificação será emitida online. Se houver inconsistências, o sistema transmitirá uma notificação ao interessado. Desta forma, ele poderá saná-las e inserir novamente os dados no Sigef, que tem capacidade operacional de 20 mil processos analisados por mês.

Segundo o Incra, o Sigef disponibilizará um conversor de coordenadas, instrumento que evitará erros na identificação dos limites dos imóveis no novo sistema. O conversor transforma as coordenadas dos vértices dos imóveis existentes no acervo fundiário do Incra de ‘grau e fração de grau’ para ‘graus, minutos e segundos’, formato padrão das planilhas a serem inseridas noSigef. Desta forma, o profissional habilitado a realizar o serviço de georreferenciamento, necessário à certificação, não precisa solicitar ao Incra essa base de dados para atualizar as informações relativas aos imóveis no Sistema de Gestão Fundiária.


sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Mapa de Minas Gerais Atualizado

Dentro do assunto de que trata o post sobre o Brasil ter chegado a 5570 municípios, o mapa do estado de Minas Gerais carecia de atualização com as novas divisões. 





Formato origem : Mapa Impresso
   
Cliente: TJMG
     
Ano : 2006
    
Quantidade de Imagens : 1

Quantidade de arquivos : 1

Referência : 373

Para maiores informações e orçamento de digitalização, vetorização e georreferenciamento: 
   
Ligue :  
(31) 3291-9600
Minas Gerais

(11) 3301-5484
São Paulo

(21) 3002-0272
Rio de Janeiro